BGS 2017: jogos indie chamam atenção por originalidade, história e visual

A Brasil Game Show 2017 conta com diversos jogos para os visitantes da feira testarem e se divertirem com games ainda nem lançados. Assim como de costume na edições do evento, Xbox, PlayStation e marcas para computadores vêm com grandes stands e luzes para se destacarem aos olhares dos fãs de jogos. Porém, há uma área da BGS exclusivamente dedicada aos games feitos aqui no Brasil, é a área de jogos independentes. E mesmo com stands menores em relação às grandes marcas, o público faz questão de marcar presença e testar esses jogos sem qualquer tipo de preconceito.

Jogos indie na BGS 2017
Foto: Rodrigo Rosalinski

Dark Elf é um RPG de ação bastante inspirado em animes e visuais de jogos japoneses com cabeças e olhos grandes e com visual 2D misturando um pouco do estilo arcade com puzzles e tomadas de decisões sobre que caminho seguir de acordo com o nível atual da elfa, a personagem do jogador. Irwing Luan Felizardo tem 27 anos e é game designer e criador de Dark Elf e diz que o público gostou muito do seu RPG e já está quase pronto para ser lançado na Steam. No dia 30 de outubro haverá uma versão pré-lançamento com um pouco do conteúdo do game, mas o lançamento completo será em 30 de novembro.

“A gente recebe muito feedback, muitos positivos, inclusive, e ficamos muito felizes em saber que o público está gostando e reconhecendo o nosso trabalho.” — Irwing Luan Felizardo, criador de Dark Elf.

Dark Elf é um jogo indie presente na BGS 2017
Foto: Rodrigo Rosalinski

Alan Neves tem 22 anos e é outro desenvolvedor de jogos que tem uma pegada 3D. Seu jogo New World The Tupis retrata os conflitos entre os portugueses colonizadores e os índios colonizados. Segundo ele, essa história acaba trazendo muitos pais e filhos para verem e jogarem o game com um contexto de educação, já que esse assunto é muito explorado ainda nas escolas do país.

“O motivo de eu ter feito esse jogo é porque eu sempre via os outros países produzindo games sobre suas próprias culturas e o Brasil não. Aí pensei será que nossa história  é tão entendiante assim? Descobri que não e decidi criar um jogo que retratasse um pouco de nossa história. — Alan Neves, criador de New World The Tupis

New World The Tupis é um jogo indie presente na BGS 2017
Foto: Rodrigo Rosalinski

Ducks vs Aliens é um jogo totalmente inspirado nos arcades antigos, mas com alguns toques visuais e de desenho para contemplar o game com modernidade. O jogo ainda está no início de desenvolvimento, faltando alguns personagens e cenários para serem incluídos ao game. Porém, o produtor do game, Tarcísio Michels, diz que é importante trazer o game ainda em fase inicial para a feira para já ter retornos e sugestões dos visitantes.

“O game ainda tem de 18 meses a dois anos de produção porque são 13 fases e todas ambientadas no Brasil com os pontos turísticos, prédios, tudo para deixar as fases bem parecidas com a realidade. Então para quem jogar e conhecer aquela cidade, vai perceber que estará naquele local. — Tarcisio Michels, produtor de Ducks vs Aliens

“Outro ponto positivo de trazer o game  ainda no início é que a gente absorve as ideias do público. Sobre a câmera, por exemplo, houve cinco ideias diferentes de como melhorá-la. — Frederico Raiss, programados de Ducks vs Aliens

Ducks vs Aliens é um jogo indie presente na BGS 2017
Foto: Rodrigo Rosalinski

Esse é o meu jogo!

O que você achou?